REUNIÃO ORDINÁRIA CPM-BUTANTÃ 26 DE MARÇO DE 2015

BUTANTÃ

GABINETE DO SUBPREFEITO

REUNIÃO ORDINÁRIA CPM-BUTANTÃ 26 DE MARÇO DE 2015

Ausências justificadas (7): Pedro Fernando (com dengue),

João Vitorelli (com dengue), Keiji Kato (mensagem encaminhada

justificando ausência), Carmen Caballeria Ferreira, Mirna Pinheiro

de Abreu Coelho, Regiane Souza Teixeira, Renato Gomes

Damas Ausências não justificadas (2): José Martins de Abreu

Cavalcante, Marcos Costa Correa Presentes (28): Adriana dos

Santos Rabelo, Ana Luiza Dalcim Aragão, Ana Maria Raddi

Uchôa, André Wilian Araújo de Lima, Antonio Carlos de Almeida

Santos, Ariela Bank Setti Comparato, Beatriz Helena Falcão Botelho,

Dejanira da Paixão Figueiredo, Diva Nunes, Elizabete Silva,

Felipe Valentim Bonifácio, Jaqueline Carneiro de Albuquerque,

Jorge Jordão, Júlia Titz de Rezende, Juliana Alves Pessoa,

Luiz Augusto Thomaz, Manoel Passos Faria, Marcia Sandoval

Gregori, Maria de Lourdes Andrade de Souza (Lia), Martha Delbuque

Pimenta, Paulo José Villela Lomar, Regiani Paulino de

Oliveira, Roldão Soares Filho, Solange Tomaz de Souza, Sonia

Regina Batista da Silva, Vera Lúcia Borges Macedo Leite, Vera

Lúcia Ubaldino Machado, Werner Regenthal Visitantes Edson

Lapolla, Leo Crespo (morador vertentes), Antonia C. Santos (Toninha

SMRG), Victor Zacarias (Vila Mariana), José Roosevelt Júnior

(coordenador conselho da Vila Mariana), Henrique Dias de

Faria (CADES), Caiana (fazendinha), Josefa A. de Oliveira , Paulinho

Petronilho (chefe de gabinete da sub Butantã), Nadir S.

Moraes, Monique Picher Comissão Coordenadora: Ana M.

Raddi Uchôa; Ariela Bank Setti Comparato; Carmen Caballeria

Ferreira; Maria de Lourdes Andrade Souza (Lia); Vera Ubaldino

Machado e (Spl) Regiani Paulino de Oliveira. A coordenação da

reunião ficou a cargo da conselheira Vera Machado, a mediação

foi feita pela conselheira Regiani Oliveira e a secretaria foi da

conselheira Ariela Bank Setti. A reunião teve início às 19 horas e

45 minutos e foi encerrada às 23 horas. A conselheira Vera Machado,

coordenadora da reunião pela Comissão coordenadora,

abriu os trabalhos propondo os pontos da pauta publicada: 1)

Apresentação do Grupo de Trabalho de Saúde; 2)Prestação de

contas pelo Sr. Edson Lapolla; 3) Informes dos Grupos de Trabalho

Mulher e Mobilidade; 4) Informe câmara no seu bairro; 5)

Elaboração e continuidade da agenda do Conselho; 6) Apresentação

do formato das próximas reuniões; 7) Indicação de membro

para o comitê da dengue; A reunião teve início com uma

breve apresentação dos participantes devido ao fato de contar

com muitos visitantes.A Conselheira Vera apresentou a nova

conselheira Diva Nunes. Ela aceitou assumir a vacância do conselheiro

José Antônio Cruz Reyes (“Tom Reyes”). O conselheiro

e coordenador do Conselho Municipal da Vila Mariana José

Roosevelt Júnior fez uma breve fala sobre o primeiro ano de

experiência no Conselho, avaliou a interlocução com a prefeitura

e relatou que tem participado de reuniões dos diversos conselhos

participativos municipais propondo que realizemos uma

reunião para discutirmos uma pauta única entre os conselhos. A

proposta do Conselheiro é a efetiva descentralização e empoderamento

das subprefeituras. Finaliza propondo uma reunião entre

os coordenadores para trazer essa pauta para a discussão.O

Conselheiro José Roosevelt Júnior ainda relatou a proposta da

Instituição de Plebiscito e Referendo que esta sendo elaborada

pela Rede Nossa São Paulo junto à Câmara de Vereadores. A

proposta esta em construção e ele esta participando dessa elaboração.

A proposta inclui a formação de uma frente parlamentar

na qual a sociedade civil terá direito a duas cadeiras, sendo

que uma delas será preenchida por um conselheiro participativo.

A intenção é de se fazer um seminário informando melhor

sobre esse assunto. Por fim, o Conselheiro Junior convida para

visitar o conselho da Vila Mariana.A Coordenadora dos Conselhos

Municipais na Cidade de São Paulo, funcionária e representante

da Secretaria Municipal de Relações Governamentais

(SMRG), a Sra. Toninha, se apresentou e relatou que o Prefeito

solicitou a presença de representantes de SMRG nas reuniões

dos Conselhos com o intuito de fortalecimento dos mesmos. O

Secretário de Relações Governamentais, Sr. Alexandre Padilha

pediu para cada assessor de SMRG acompanhar um conselho,

no caso do Conselho do Butantã a representante será a Toninha.

Em sua fala, a Sra. Toninha disse que não veio interferir,

veio ajudar a pensar, quais as dificuldades e quais as melhores

estratégias para nós conseguirmos trilhar esse caminho.Todos

os participantes se apresentaram, porém sem destaque de fala.

1)Prestação de contas pelo Sr. Edson Lapolla:O interlocutor

da subprefeitura com o Conselho, Sr. Edson Lapolla relatou, em

referência ao item de pauta, que a Subprefeitura Butantã sempre

disponibilizou infraestrutura para o conselho. “Desde o início

a sub disponibilizou e apoiou o conselho,disponibilizou sala

exclusiva, que foi melhor equipada com a verba de 15mil. Foram

comprados mesas, cadeiras, armário, consertaram as cadeiras

da sala Butantã. Para 2015 temos 2 mil reais na dotação de

serviços e 2 mil reais na dotação de equipamentos. Estão comprando

impressora e computador novo.” Lapolla aproveitou

para apresentar o Sr. Paulinho Petronilho, disse que o mesmo

era Conselheiro Participativo da Lapa mas que agora saiu do

Conselho para assumir o cargo de chefe de gabinete da Subprefeitura

do Butantã.2) Apresentação do Grupo de Trabalho

de Saúde A Conselheira Ana Uchôa, membro do grupo de trabalho

de saúde do Conselho realizou a apresentação nesta reunião

para todos os conselheiros presentes. A apresentação em

Power Point segue anexa a ata e esta disponível também nos

arquivos do Conselho. A Conselheira Ana Uchôa iniciou a apresentação

relatando que o GT saúde é o mais recente e tem uma

interface com o GT inter conselhos. Disse que o trabalho do GT

pautava-se pela busca de interlocução com os conselhos de

saúde mas que ainda era uma questão para o grupo, neste

contexto, qual a especificidade da atuação do GT, nas questões

da saúde.O PPT apresentado continha: I- Apresentação dos

componentes do GT saúde; II- Ações realizadas pelo GT: 1- Feira

de saúde ação conjunta com o C.G. da STS-BT;2- Acolhimento

da demanda do conselho gestor da UBS Paulo VI e São Jorge (O

Gt encaminhou um ofício; há relatos de melhora); 3-Acompanhamento

de uma das nossas três prioridades que é a questão

da prioridade de saúde no Real Parque; houve reunião com o

coordenador de saúde e resposta a nosso ofício colocando a

saúde no Real Parque como uma das prioridades 2015 SMS; a

proposta é fazer uma reunião com o conselho saúde da UBS

Real Parque para pensarmos em qual o melhor encaminhamento

a ser dado para essa questão.A Conselheira Ana Uchôa solicita

ao Conselheiro Luis Thomaz, representante do CPOP, que

relate o que foi falado sobre essa questão. Sobre a demanda da

construção de uma UBS no Real Parque, elencada uma das

prioridades pelo Conselho, o Conselheiro Thomaz relatou que

em reunião do CPOP foi colocado pela Secretaria que não vai

ter uma obra no Real Parque, mas vão reforçar todos os serviços

de saúde nessa região em termos de atendimento e estrutura. O

Conselheiro ainda relatou que ontem na reunião do CPOP foi

dito que todas as obras da prefeitura estão paradas até segunda

ordem. A culpa não é da prefeitura, problemas no país. As

obras que estão em andamento vão continuar, pois o orçamento

já esta computado. Ficam para 2016 as que não começaram.

4-Trabalho em interface com a comissão de acompanhamento

da UBS Jardim Jaqueline: Reunião com o coordenador de Sáude

do Bt, Alexandre Nemes Filho (ponto de vista do poder público,

referente ao Jd. Jaqueline): confirmação de que a área deve ser

coberta por outra UBS; inicialmente, as em construção: Vila Sônia

II e Pirajussara (fase de determinação do terreno); encaminhamento

da reunião: a} urgência de g.o. , a ter solução imediata,

junto a Supervisora, na reunião do dia seguintes, por

compartilhamento de r.h; b) chamamento 2. O encaminhamento,

relativo ao ginecologista já aconteceu. A palavra foi passada

para a Conselheira Jaqueline que relatou o andamento das

ações na UBS do Jardim Jaqueline que estava em situação precária.

A Conselheira nos relatou que ocorreu uma primeira visita

do CPM no local com fotos registradas pelo Conselheiro Thomaz,

e uma segunda visita que contou com a presença da coordenadora

da UBS a Sra. Mayane A Conselheira Jaqueline ainda

nos relatou que em conversa com a Mayane foi proposta um

parceria para que se entenda as dificuldades junto a comunidade.

A Conselheira falou que a quantidade de usuários dessa

UBS é estipulada em 45 mil pela secretaria da saúde, mas a

gestora da unidade (Mayane) estipula em 70 mil. Uma boa notícia

é que conseguiram mais uma ginecologista para a unidade.

Foi feito um acompanhamento com todas as gestoras da comunidade

e detectaram-se problemas sérios de emergência. Em

reunião de membros do C.G. da Unidade, Comissão de Acompanhamento

e GT Saúde, com a gerente da unidade, a Conselheira

Jaqueline relata que surgiram diferentes ideias e encaminhamentos:

Necessidade de construção de outra unidade; Gestão

compartilhada com a Comunidade; As consultas são marcadas

pelo Rh; OS: próximo chamamento: não é de interesse dos funcionários

que ocorra o chamamento. 5- Em relação a UBS Caxingui

a Conselheira Ana relatou que o GT propôs fazer uma visita

ao Conselho da UBS; o Conselheiro Keiji Kato já havia

levantado, na reunião passado, a demanda de ajuda , acatada

pelo GT; sugestão de participar da reunião seria de instrumentalizar

o GT com mais informações. Porém, isto antes de ter conhecimento

documento, enviado há alguns dias, por intermédio

do grupo virtual, pelo conselheiro Paulo Lomar, produzido pelo

Conselho Gestor da unidade. A Conselheira Ana coloca que o

GT saúde não havia ainda considerado e consulta o pleno, se é

ou não o caso de tomar ainda conhecimento do documento, visita

ao conselho, etc… .A Conselheira Vera Machado sugere

marcar uma reunião com a supervisão de saúde. Também acreditar

que se os conselheiros da saúde trouxeram a demanda

devemos acatar. O Conselheiro Paulo Lomar diz: neste caso o

documento aprovado pelo Conselho Gestor da UBS Caxingui,

está assinado por todos os Conselheiros desta UBS e é atuo explicativo,

pois explicita e especifica suas necessidades e suas

propostas. A prioridade expressa no referido documento consiste

na designação de dois médicos clínicos gerais para a UBS.

Nada impede que o GT Saúde venha a fazer uma vista à UBS

Caxingui, mas agora é fundamental endossar o documento do

referido Conselho Gestor da UBS, pois ele é autoexplicativo. Em

face disto, o Conselheiro Paulo Lomar solicitou a aprovação

deste documento do Conselho Gestor da UBS Caxingui pelos

conselheiros e seu encaminhamento, com ao apoio do CPM, aos

órgãos públicos competentes: Secretaria de Saúde, SRG, Prefeito

e outros conexos. Colocada em discussão este assunto, foram

aprovados os pleitos do Conselho Gestor de Saúde da UBS Caxingui

expressos no referido documento e o seu encaminhamento

aos órgãos competentes. A Conselheira Martha chamou

a atenção para a questão do Hospital Universitário. A Conselheira

falou “O HU atendia muita gente, se ainda não esta sobrecarregando

vai sobrecarregar as UBS. Situação esta muito

grave no HU. Última leva de funcionários que saíram no Plano

de Demissão Voluntária do HU sairá agora em abril”. A Conselheira

Juliana relatou que a USP não esta mais atendendo e isso

complicou muito a situação nas comunidades. A Conselheira

ressaltou a questão da falta d’água na UBS Paulo VI, disse que

nesta UBS a água dura em média 3 horas o que é totalmente

insuficiente e que é urgente manifestação do Conselho nesse

caso. A Conselheira também relatou sobre a grande incidência

de casos de dengue na região, que já foram mais de 800 casos

e que é urgente que se tome medidas a esse respeito. 3) Reunião

do Governo Local e Comitê de Dengue O Sr. Edson

Lapolla relatou sobre a reunião do governo local que ocorreu

em… e falou sobre a ação integrada que irá ocorrer no Jardim

João XXIII e no Paulo VI. Contou-nos que já foi detectado o

problema da dengue e o fumacê da sub esta agendado para o

dia 13 de abril, com prioridade nessas regiões. O Ponto central é

o Céu Uirapuru. A Conselheira Beth relatou que no Jardim Jaqueline

também esta com muitos casos de dengue. O Conselheiro

Roldão pediu a palavra e falou que em relação ao problema

do Hospital Universitário temos que cobrar do governo do

estado. População deve cobrar. A Conselheira Ana Uchôa relatou

sobre o comitê de combate a dengue, que foi solicitado um

representante do conselho para participar desse comitê. As

Conselheiras Dejanira (titular) e Juliana(suplente) foram indicadas

pelo GT para participarem dessa comissão, mas estão dispostas

a abrir mão, se o pleno tiver outra indicação: por aclamação

, todos os Conselheiros presentes apoiam a Dejanira e a

Juliana como representantes do comitê da dengue. A Conselheira

Dejanira relatou que deseja realizar ações como, por exemplo:

“Em termos uma tenda,com duas enfermeiras para

mostrar,a larva de como se desenvolve a DENGUE e

distribuir,saquinhos com areia e também irmos nas Escolas e

Igrejas para melhor informar e prevenir.”. A Conselheira Ana

Uchôa também relatou que no Parque dos Príncipes, segundo o

conselheiro Pedro Fernado, estão acontecendo muitos casos de

dengue e na Vila Sâo Francisco há praças com vegetação (Desembargador

e das Artes) muito alta, lugares onde no ano passado

foram numerosos os casos de dengue. A Conselheira Vera

relatou que “O Comitê deve levantar os focos para que sejam

priorizados. O comitê vai catalisar todas as demandas sobre a

dengue. Vamos encaminhar os locais já identificados com foco

de dengue para os representantes do GT saúde para que este já

encaminhe para o Comitê da Dengue.”. O Sr. Edson lapolla falou

que a subprefeita tem que receber as demandas para poder

agir. Lapolla vai informar o conselho sobre as ações que serão

executadas pela Subprefeitura. 4) Informe do Grupo de Trabalho

de Mobilidade A palavra passou para a Conselheira

Marcia membro do GT Mobilidade. A Conselheira relatou que os

Conselheiros Márcia, Werner, Ana Aragão Roldão fazem parte

do GT mobilidade da Rede Butantã, que se constituiu antes do

conselho existir. A Conselheira informou que vai haver nova licitação

para os ônibus municipais até abril. Por este motivo é

fundamental ter noção do que esta sendo feito e decidido pelo

governo. Segunda passada ocorreu de última hora uma Audiên

cia Publica na qual dois membros do referido GT participaram,

a Sra. Lenina e Sr. Élio Camargo. O Secretario Municipal de

transportes Jilmar Tatto falou na audiência que irão fazer a licitação

em cima das linhas que já estão em SP, essa licitação terá

validade por 20 anos. A Conselheira Marcia ressalta como será

complicado licitar com que já existe para depois mudar. Isso

não vai dar certo. As linhas devem ser discutidas e a licitação

deve ser feita em cima dessa discussão. Solicita para todos que

moram no Butantã as linhas que seriam importantes. A Conselheira

Marcia relatou diversos problemas que essa licitação

deve causar se não for feita da maneira correta. “Eles vão contratar

as empresas de ônibus e podem não fazer a contratação

por custo operacional. Dizem que não dá para fiscalizar os ônibus

o que é um absurdo em pleno século XXI quando já existem

Satélites que podem monitorar esses carros. Vão continuar contratando

as empresas por passageiro transportado.” Diante da

urgência e do curto espaço de tempo a Conselheira relatou que

já existe um documento elaborado pelo GT de Mobilidade da

Rede Butantã e que ela gostaria de sugerir que esse documento

fosse referendado pelo Conselho para que possa ser entregue

rapidamente para os órgãos necessários. A Márcia ainda explicou

que esse grupo de trabalho fez um estudo profundo e contou

com a participação de diversas pessoas extremamente qualificadas

como, por exemplo, o Sr.Elio que é engenheiro e

profundo conhecedor do transito. O documento que foi elaborado

pelo GT conta com um plano de como as linhas podem se

estruturar, linhas locais e linhas troncais. Acrescentou que a

questão do conforto também foi abordada no trabalho do GT:

acessibilidade universal, chassis adequados, substituição da

frota por ônibus elétricos em alguns anos, baixa densidade de

passageiros, pontos de fácil acesso , iluminados e bem sinalizados,

entre outros pontos. A Conselheira Beatriz questionou o

fato de terem realizado uma audiência publica na subprefeitura

do Butantã e depois terem mudado tudo de um dia para o outro.

A Conselheira Marcia explicou que os técnicos da Secretaria

de Transportes apresentaram um plano genérico mas que por

baixo dessa questão tem um negócio mais técnico. Uma coisa

não é incompatível com a outra, mas pode tornar-se incompatível

caso não escutem os anseios da população. A conselheira

Beatriz sugere que o Conselho acrescente suas propostas ao

documento já elaborado e que o Conselho encaminhe os dois

documentos. Algumas das propostas sugeridas pela Conselheira

Beatriz são: linhas de ônibus noturno, linhas tronco, e a composição

de linhas menores ao invés de percorrer São Paulo inteira

com uma linha só. O Conselheiro Paulo Lomar relatou que

quando o Prefeito Fernando Haddad assumiu, em função dos

movimentos tomou a decisão de fazer uma auditoria nas empresas

de transporte e só abrir uma nova licitação após os resultados.

O conselheiro ressalta que a licitação tem que ser bem

feita porque vai determinar a qualidade do transporte. “A nova

licitação deve mudar o critério de remuneração das futuras empresas

concessionárias. É preciso mudar a lógica de que quanto

mais passageiros a empresa transportar em cada ônibus, especialmente

nos horários de pico, ela será mais remunerada. Este

critério atual faz com que as empresas coloquem menos ônibus

nas linhas e mais gente nos ônibus em pé. Há um critério “técnico”

de que cada ônibus deve transportar, no máximo, seis

pessoas por metro quadrado. Este critério admite que as pessoas

transportadas fiquem amontoadas e apertadas em cada metro

quadrado útil dos ônibus. Isto é um verdadeiro desrespeito

ao usuário de ônibus. Nos horários de pico, cada metro quadrado

útil de ônibus deveria transportar, no máximo, quatro pessoas

por metro quadrado útil. A população tem direito de ser

transportada com respeito e dignidade. Não podemos permitir

que, numa metrópole como São Paulo (12 milhões de habitantes),

uma nova licitação e um novo contrato para concessão de

transporte por ônibus por 20 anos mantenha esta situação desrespeitosa

para os usuários. É preciso que a Secretaria de Transportes

mude o critério de remuneração das futuras empresas

concessionárias, não mais adotando o critério da remuneração

por quantidade de passageiros transportados. O serviço público

de transporte por ônibus, que é essencial, segundo a Constituição

Federal e a Lei Orgânica, se torne um modelo para o mundo.

A nova licitação precisa ser bem feita mesmo que demore

uns meses a mais a fim de beneficiar, de modo duradouro e

efetivo, a população usuária e estimule realmente as pessoas a

usarem menos os automóveis.” O conselheiro diz que o momento

de se manifestar é agora, já foi realizada uma audiência

publica e devemos ficar ligados caso seja necessário impugnar

o edital. Não faz sentido esse tipo de coisa, fazer nova licitação

sem contemplar as demandas necessárias para uma real mudança

no sistema de ônibus. O Conselheiro Roldão disse que na

reunião do governo local a prefeitura utilizou uma planta de

toda região. Baseado nisso o Conselheiro sugere utilizar uma

planta por distrito e ver com a comunidade quais linhas são

melhores. Proposta deslocação interdistrito. Segundo o Sr. Lapolla

a subprefeitura não tem disponível plantas por distrito, só

de toda região do Butantã. A Conselheira Martha reforçou a

posição da Conselheira Beatriz no que diz respeito em sair um

documento do Conselho. Relatou vários movimentos da nossa

região como o Movimento Volta Azulzinho, por fim sugeriu que

mantivéssemos o documento do GT Mobilidade que é mais genérico

e complementássemos, gerando um novo documento,

com um posicionamento mais firme e pontual do conselho. Finaliza

dizendo que são movimentos individuais mas que devem

se apoiar. O Conselheiro Thomaz ressalta a importância de contemplar

neste documento as pessoas com necessidades especiais.

A Conselheira Ariela sugere acrescentar as propostas dos

conselheiros nesse documento e encaminhar para o Prefeito e

Secretario de transportes. Ficou acordado que a conselheira

Marcia encaminhará o documento até o dia 30/03/15 e os conselheiros

que quiserem acrescentar demandas o farão até o dia

3 de abril de 2015. A Conselheira Marcia mais uma vez ressaltou

que o documento elaborado pelo GT Mobilidade da Rede

Butantã e que será a base do nosso documento, esta genérico.

Ainda conta que o Plano especifico com os desenhos das linhas

de ônibus do Butantã esta sendo elaborado, mas não ficará

pronto em tempo de ser encaminhado junto com o documento.

O Conselheiro Roldão ainda deu o exemplo da operação urbana

Vila Sonia na qual a população conseguiu impedir algumas intervenções

que não concordava e falou da importância dos ônibus

menores. A Conselheira Regiani Oliveira relatou que em

audiência do ano passado sugeriu para o Vereador Nabil a implantação

de micro ônibus circular para o metrô. 5) Grupo de

Trabalho Mulheres A Conselheira Vera relatou que foram realizadas

algumas reuniões preparatórias na subprefeitura do Butantã

para a plenária deliberativa que aconteceu na subprefeitura

de Pinheiros em 24/03/15. Essa reunião plenária

deliberativa em pinheiros elegeu 20 delegadas compondo o fórum

da região oeste. O Fórum é ligado a Secretaria Municipal

de políticas para as Mulheres e tem o intuito de discutir políticas

para mulheres em SP. Serão oferecidos cursos para essas 20

mulheres feministas em questões diretamente ligadas às mulheres.

Irão começar a discutir em julho a pré conferencia municipal

do Butantã de mulheres. As Conselheiras Sonia, Juliana,

Adriana, Beth, Vera, Bia e a Sra.Nadir são as representantes do

Butantã no fórum regional. O Conselheiro Thomaz relatou que

no CPOP existem os projetos de incluir dois centros de referência

da mulher um na zona norte e outro na zona leste A Conselheira

Vera ainda relatou sobre uma possível verba proveniente

do governo do Japão para ser utilizada em bem feitorias para

as mulheres, relatou que temos uma casa abrigo e que vamos

ter a casa da mulher brasileira Informes: Câmara no seu bairro

dia 16 de maio no Céu BT. – A Conselheira Vera relata que a coordenação

já percebeu a necessidade de ter uma pessoa para

fazer a parte burocrática e assim agilizar os trabalhos do Conselho.

Disse que pretende agendar uma reunião com o secretario

de SMRG para solicitar isso. O Conselheiro da Vila mariana,

Junior sugere que seja pauta de todos os conselhos. – Informe

comissão de ética sobre a posição da conselheira Lia (assunto

relatado na ata da última reunião). A Conselheira Lia leu uma

carta de resposta e entregou a carta para a Comissão de Ética.

A Conselheira Lia diz que esta a quatro anos líder comunitária

da Vila Nova Esperança. Esta na segunda gestão da coordenação,

esta dentro do conselho para aprender, “se falo algo que

magoou peço desculpas, imagina se fosse colocar de novo todo

mundo que já se exaltou no conselho, tem provas, gravações.

Estou me defendendo, ninguém pode dizer que eu não posso

falar, só falou que não esta sendo contemplada, direito de expressão,

não vou sair do conselho porque eu não sou de abandonar

o barco mas minha vontade era de deixar.”.A Coordenadora

Vera disse “o que acordamos era que ela se colocasse com

pedido de desculpas, reunião passada quase todo conselho se

colocou como achando que a Lia se portou errado. Lia deveria

se colocar para o conselho.”.

Conselheira Martha: “quando votamos o capitulo de ética.

A comissão foi criada para evitar constrangimentos, para não

precisar parar o conselho. A Ana Aragão encaminhou da forma

certa, enviou carta genérica para não parecer agressiva. Não

desvirtuar a comissão de ética. A comissão traz para o conselho.

Serve para discutir uma posição. Achei a carta da Ana respeitosa,

a partir daí virou no grupo virtual uma série de agressões.

Não era para ter virado.”.Conselheira Bia: “Eu vou na mesma

linha da Martha. A comissão não é para penalizar é exatamente

para limpar as arestas, e não tomar um vulto muito grande. Então

Lia, não é para penalizar você é para reflexão. Eu sou da

comissão de ética e não quero ser apontadora é para dar um

amparo.” Conselheiro Roldão: “Eu vi a Lia pedir desculpas. Acho

que a coisa tem que morrer aí. Devemos avançar de outra maneira.

Se ela pediu desculpas então ok.”.Conselheiro Werner:

“Em parte concordo com a Martha e a Bia. Primeiro não encaminhamos

de forma certa. O anexo diz que apresentado qualquer

coisa o pleno decide se vai ou não para a comissão de ética.

Precisamos votar. Segundo, o anexo de ética não diz nada

sobre as consequências dos atos, então na verdade a função é

mediar a situação.” Complementou dizendo para a Lia que

achou a justificativa dela errada, exagerada, deveria ter falado

com suas próprias palavras. Não precisava ler termo jurídico.”.

Conselheiro Felipe: “Quem se expõe acontece isso memo. As

pessoas tem a necessidade de fazer a coisa acontecer e às vezes

as coisas tomam proporções maiores. Esse espaço existe

conflitos. Alem de uma comissão ética também deve ser uma

comissão de mediação para acalmar e não ter tensão na reunião.”.

Conselheira Julia: “eu, desde o começo, acho que isso

tem que ser resolvido na comissão de ética. Nos sentimos desrespeitados

pela forma como a Lia se portou na audiência. A

comissão de ética que deveria ter estruturado a situação melhor

essa situação.”Conselheiro Paulo: “o que aconteceu na audiência,

até eu me manifestei naquele momento porque senti uma

agressão ao conselho. Depois a Ana Aragão apresentou o documento,

mas não pude ler o texto, na reunião passada teve uma

discussão e não uma defesa. A comissão deve receber fatos

concretos e específicos, sobre o fato que temos que analisar,

comissão só vai dar um parecer e tentar fazer uma mediação.

Esse fato já foi bem discutido aqui. Devemos superar. Deve servir

como uma reflexão para aproximar e não pra continuar a

briga. Lia se colocou numa posição muito defensiva. Acho que

esse assunto nós não vamos tirar daí consequências mais graves

acho que essa questão não tem uma acusação mais violenta.

É preciso fazer um esforço de superação e deixar morrer esse

assunto.” Ana Aragão: “concordo totalmente com o Felipe.

Quero reforçar o pedido. Não é uma guerra pessoal. Gostaria de

reforçar que houve comportamento inadequado. A intenção é

transformar em uma conversa. Queria muito uma resposta por

escrito, se for encaminhado para o conselho de ética ou um documento

pela comissão coordenadora. No dia que expus a minha

solicitação para o comissão de ética, muitos moradores da

vila nova esperança participaram da reunião, nesse caso a comunidade

pode se manifestar ? gostaria de uma reposta por

escrito. Nesse dia, sentou uma pessoa na minha frente e me

hostilizou o tempo inteiro, fiquei o tempo toda me sentindo

constrangida. Qual o comportamento adequando nesses casos.

Não quero transformar em briga pessoal.” Conselheira Regiani

Oliveira: “conforme o Werner falou, você pode encaminhar, mas

o pleno decide se vai para o conselho de ética. Por isso trouxemos

novamente esse assunto aqui.”. Conselheira Ana Uchôa:

“Seria interessante, se o caso for ao conselho de ética, que alguns

de nós do pleno pudéssemos encaminhar um documento

explicitando o contexto. “Muito duro, quando muitas pessoas,

cada uma com fala de dois minutos, falam sobre alguém, que

tem dois minutos para responder.”.Conselheira Juliana: “todo

mundo já se perguntou por que foi eleito? Aqui tem de analfabeto

a doutor. Vamos aprender. Eu aprendi que tem que parar e

pensar no que vai falar. Concordo que todos tomaram um baque.

Nós estamos aqui para aprender um com o outro. Meu

problema é ônibus. Peço para as duas, vamos construir, estava

ótimo. Não vamos jogar tudo no ralo.”. Conselheira Vera: Encaminhamento-

“a Ana Aragão não abre mão de encaminhar para

a comissão de ética. Membros da comissão já falaram sobre o

papel de conciliação. Diante disso vamos votar se a carta vai ser

encaminhada ou não a Comissão de Ética.”. Resultado da Votação:

16 a favor 4 contra 5 abstenções Agora os documentos foram

encaminhados para a Comissão de ética que deve se reunir

e deliberar sobre o assunto em questão. – Foi informado que

não terá mais transporte da subprefeitura para levar os conselheiros

que moram longe e não têm condução própria para a

casa após as reuniões do Conselho. O Sr. Lapolla disse que não

consegue mais pois os veículos da subprefeitura só devem ser

utilizados para transportar funcionários.Já foi encaminhado um

documento para SMRG solicitando o transporte pra os conselheiros.

A Sra. Toninha falou que esta sendo analisado. É uma

questão de todos os conselhos. E informou que já montaram

processo junto a CET para bilhete único para os Conselheiros.

Conselheira Sonia: “O interessante não é o bilhete único e sim

deixar a pessoa na rua de casa.”. Conselheira Ana Aragão: “Devemos

fazer um documento explicitando da necessidade do

transporte.”. Conselheira Vera: “estamos pensando em não fazer

mais reuniões só informativas. Proposta: tirar um tema por

reunião. Dividir em grupos, pode ser por distrito e em cima do

tema fazer ofícios para encaminhar para os órgãos competentes.

Solicitação de que informes sejam feitos através do e-mail.”

Conselheira Regiani Oliveira: “Complementando essa proposta.

Podemos pensar em outro formato para reuniões. Inclusive falei

em Reunião Ordinária a qual Coordenei em 26/02/2015, seria

mudar o formato das próximas reuniões, formando grupos,

onde seriam discutidas as demandas. Esses Grupos seriam formados

por Distritos ou não, dependendo do Assunto. Nesse formato

o Grupo nomearia uma pessoa para ler em voz alta para

todos os presentes o que foi discutido e apresentaria sugestões

para resolver o problema. Nesse formato todos participariam,

teria mais integração entre os Conselheiros, seriam discutidos

os problemas dos Distritos, e o tempo seria melhor aproveitado,

pois hoje, por exemplo 44 falam, dividindo em grupos, 04 falariam,

otimizando melhor o tempo e a participação.” Conselheira

Jaqueline: Relembra que ela deu essa ideia em uma reunião já

faz tempo. Proposta para que consigamos terminar as reuniões

mais cedo. Conselheiro Paulo: Estamos consumindo muito tempo

da reunião com coisas que podem ser transmitidas pelo grupo

de email. Devemos otimizar o e-mail para tentar reduzir o

tamanho das nossas reuniões. Por exemplo, a exposição do GT

saúde poderia ter sido encaminhada por email. Devemos fazer o

esforço e disponibilizar informações antes da reunião. Sobre fixar

temas para as reuniões, o Conselheiro diz que as pautas

deveriam ser discutidas previamente pelo Conselho sem prejuízo

de eventual inclusão de matérias deliberativas por motivo de

urgência, contudo fica preocupado se for adotada postura muito

rígida quanto a este assunto. As pautas definidas deveriam

tratar das questões de interesse da população da região que

devessem ser objeto de alguma decisão por parte do Conselho.

As matérias de conteúdo informativo deveriam ser encaminhadas

pela internet, sempre que possível, como o exemplo da

apresentação do GT Saúde. Conselheira Martha: “concordo com

o Paulo. Acho que as reuniões não são longas. É muito assunto.

Deve acelerar os assuntos que podem ser mandado por e-mail.

Eu acho que devemos aproveitar melhor o tempo e não reduzir

o tempo.” Conselheira Ariela: “Vamos fechar esse formato por

e-mail?” Conselheira Vera Machado falou que talvez venha o

secretário de relações governamentais na próxima reunião.

Conselheiro Thomaz: Falou que quando o CPOP se reúne representa

os cinco distritos. Os representantes do Butantã só falaram

do Real parque, da Vila Sônia e da demanda da Vila Nova

Esperança. Os representantes da Secretaria informaram que a

demanda da Vila Nova Esperança vai ser contemplada, mas não

agora. “Conseguimos pedir uma reunião com todas as outras

secretarias para conversar sobre esse assunto. Secretarias podem

conversar. Conselho tem que fazer encaminhamento.” O

Conselheiro Thomaz ainda ressaltou que precisamos fazer sugestão

de representante para o conselho de planejamento urbano.

E que na próxima segunda terá uma reunião de alinhamento

sobre esse assunto. A Sra.Toninha explicou a constituição

do Conselho de Planejamento. Na reunião de alinhamento, nós

do Butantã devemos dialogar e decidir junto aos representantes

do Conselho Municipal da Lapa e de Pinheiros para decidir e

indicar quem vai ser o representante da região oeste para o

Conselho de Planejamento Urbano. A Conselheira Ariela sugere

que quem queira se candidatar para representante nesse conselho

que se apresente até segunda. Conselheiro Felipe informou

sobre a reunião do PIDS e vai reunir de novo dia 9 de abril às

19hs para discutir a presença do governo (prefeitura na rua)

que vai se instalar na região do distrito Raposo Tavares. O Conselheiro

Felipe ainda informou sobre o Movimento Faixa na Raposo.

Terá uma audiência pública dia 14 de abril 19hs na assembleia

legislativa. Ressalta a importância dos distritos

estarem representados. O conselheiro solicita incluir a faixa de

ônibus da Raposo Tavares no documento de mobilidade do

Conselho. A conselheira Juliana informou que irá acontecer uma

manifestação no dia 7 de abril por conta do fechamento do

Hospital Universitário. A concentração será às 10:00hs no circo

escola da São Remo. Representantes da Comunidade do gelo

participaram dessa reunião solicitando apoio do Conselho. Isso

já era uma demanda da reunião passada. A Comunidade localiza-

se em área de risco. A Conselheira Jaqueline apresentou a

situação em que essa Comunidade se encontra. Os representantes

da comunidade, Sra. Josefa e Sr. Ecaua informaram que a

prefeitura já agendou diversas vezes de fazerem recadastramento

e nunca foram. Explicaram que é urgente, pois muitas

crianças ficam na beira do córrego e que eles não podem arrumar

nada, pois como não tem cadastro, se eles mexerem a prefeitura

vem e derruba. Eles moram em cima do rio, não tem segurança

e prefeitura não cumpre o combinado. Solicitam que

alguns conselheiros façam uma visita para averiguar a situação

e então que encaminhemos um documento para a subprefeitura

e para a prefeitura cobrando as ações necessárias. Relataram

que essa demanda já existe já foi encaminhada pra a secretaria

de habitação, eles iriam para o aluguel social a verba deveria

ter vindo em 2014. A própria defesa civil já anunciou o risco e

combinam de ir lá e nunca vão. Conselheiro Roldão faz a proposta

de agendar com a arquitetas e equipe da subprefeitura.

Fica combinado de pegarmos os documentos que já existem

para anexar no documento que será feito pelo Conselho. O

grupo de Trabalho relacionado à Comunidade do Gelo foi constituído

pelos seguintes Conselheiros: Juliana, Felipe e Jaqueline,

vão ajudar a elaborar o documento. – A conselheira Ana Uchôa,

enquanto membro da Comissão Coordenadora, e tal como já

havia explicado por e-mail , informa a necessidade, segundo a

advogada de SMRG, de que a ata da reunião ordinária de outubro

de 2014 (segundo o Lapolla, naquele momento, ainda não

publicada) seja aprovada, com um adendo, circunstanciando a

vacância da vaga do DT RT, anteriormente ocupada Conselheiro

Wesley, ata que com este adendo, já tendo circulado pelo grupo

virtual, portanto virtualmente aprovada com este adendo, foi

assim ( e o pleno é consultado), retroativamente convalidada.-

Recebemos da Regiane Teixeira um pedido de licença. Vai ser

encaminhado para a comissão de ética – Conselheira Ana

Uchôa, informa, pela Comissão Coordenadora, que o oficio

1-2015 do CPM, referente à Vila Nova Esperança, solicitando

reunião inter- secretarias, fora enviado à equipe da antiga Sempla

e Sehab, segundo encaminhamento anterior.- A conselheira

Regiani Oliveira relatou sobre a reunião de governo local. Essa

reunião acontece todos os meses. De acordo com o Sr. Edson

Lapolla só um coordenador pode participar. Nessa a Conselheira

Regiani participou. Estavam presentes membros de 15 conselhos.

A Conselheira ressalta que todas as demandas expostas

no Conselho devem ser encaminhadas e apresentadas na reunião

do governo local. A conselheira ainda informa sobre a

Ação integrada que será realizada no Céu Uirapuru, do dia 13

ao dia 24 de abril. Vai ter tenda da GCM, esportes, defesa civil.

– A conselheira Ariela faz um informe sobre o lançamento da

Plataforma Virtual “De Olho nas Metas”, instrumento lançado

pela Rede Nossa São Paulo e que irá auxiliar os conselheiros a

acompanharem e fiscalizarem as metas propostas pela Prefeitura.

– Ficou agendado uma reunião extraordinária no dia 9 de

abril, às 19:30hs. Essa reunião será exclusiva para pensarmos

ações relacionadas a Lei de Uso e ocupação do Solo visando a

audiência macro regional que ocorrerá no dia 18 de abril. A coordenadora

Vera Machado encerra a reunião às 23 horas.Assina

esta ata a conselheira Ariela Bank Setti

Anúncios

Sobre diariooficialdalapa
ativista lapeano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: